Atualidade

25  de Julho 2020

Biblioteca Municipal de Alcântara! A Esperada Abertura!

Anterior
Next

Foi no dia 5 de outubro – dia da Implantação da República – que foi inaugurada a Biblioteca Municipal de Alcantara, na rua José Dias Coelho n. 29. Foi um dia especial e feliz por se associar esta data tão significativa da história de Portugal com a abertura deste equipamento cultural e comunitário em Alcântara, uma freguesia com forte tradição operária e republicana, como lembrou o Presidente da Junta de Freguesia. Davide Amado, no seu discurso na inauguração.
A sessão foi presidida pelo Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, e contou com a presença da Vereadora da Cultura, Catarina Vaz Pinto e a Diretora da Rede de Bibliotecas Municipais, Susana Silvestre, entre outros. Por causa da Covid-19 não foi possível fazer uma sessão aberta à população como se tinha inicialmente planeado e a inauguração teve que ser limitada a um número reduzido de participantes seguindo as indicações sanitárias. Mas isso não impediu a Junta de Freguesia de partilhar esta ocasião com a comunidade através da transmissão em direto no Facebook da Junta de Freguesia e no Facebook das Bibliotecas Municipais de Lisboa. Foi um momento vivido de forma diferente, mas em conjunto com os alcantarenses!
A Biblioteca de Alcantara está instalada no antigo Palacete Burnay onde, mais tarde, vieram a funcionar as Escolas Ferreira Borges e Fonseca Benevides e por esse motivo muitos alcantarenses estudaram neste edifício e tem por ele um especial carinho. O palacete ficou ao abandono durante cerca de vinte anos apos a saída das escolas para outras instalações. Em 2013, o imóvel foi adquirido pela Câmara Municipal de Lisboa para a futura instalação da Biblioteca de Alcantara. A reabilitação integral do edifício custou à autarquia três milhões de euros.
O projeto de arquitetura foi da autoria de Margarida Gracio Nunes e recebeu uma Menção Honrosa na qualidade de Melhor Intervenção de impacto Social do Prêmio Nacional de Reabilitação Urbana 2020. A Biblioteca de Alcântara é a 18. da Rede de Bibliotecas de Lisboa e a 3 maior do município.

Uma inauguração com história
A sessão de inauguração contou com a estreia do teatro comunitário da Biblioteca de Alcântara Encenada por Hugo Franco e com a participação de atores ama dores de Alcantara, a peça Zé” remete para a memória do escultor e militante antifascista José Dias Coelho que foi assassinado em 1961 pela PIDE na rua da Creche, mais tarde renomeada rua José Dias Coelho. e onde fica precisamente a Biblioteca de Alcântara, no número 29.
Também a fazer a ponte entre estes dois acontecimentos, foi inaugurada a exposição de pintura “Vestígios de Emília Dias Coelho, sua irmã, na Galeria da Biblioteca.

Fonte: Al-Qantara, nº7 (dezembro, 2020)